De modo geral, o processo seletivo ocorre anualmente. É formado por duas etapas: uma avaliação escrita e uma entrevista. A bibliografia para a prova escrita é composta por textos relativos ao projeto em realização pelo grupo, podendo incluir artigos, livros, entre outras publicações. A maior parte da bibliografia é composta por textos lidos pelas(os) integrantes, de modo a possibilitar que as(os) novas/os possam se familiarizar com as perspectivas trabalhadas. As questões contidas na avaliação escrita são abertas, geralmente sem limite de laudas, mas podem variar desde perguntas por análises mais diretas, como explicação de conceitos, a eixos comparativos, como, por exemplo, tecer relações entre as(os) autoras(es) dessas bibliografias. 

Na primeira etapa, para a seleção de estudantes participantes da entrevista, será aprovado um número de estudantes equivalente ao dobro do número de vagas ofertadas, desde que obtenham desempenho maior ou igual a 50% da pontuação máxima possível nessa etapa e segundo ordem decrescente de pontuação. Em caso de empate, alunas(os) com maior número de semestres cursados terão prioridade. A segunda etapa, também de caráter eliminatório e classificatório, consiste numa entrevista com a comissão responsável pela seleção, combinada com a análise das respostas e a análise do histórico escolar. Nela serão analisadas, dentre outros, vivências e experiências acadêmicas e extra-acadêmicas, além da disponibilidade, proatividade e capacidade de trabalho em grupo. É importante ressaltar que mais do que um conhecimento profundo sobre os objetos de análise na prova ou dos projetos, leva-se em consideração a vontade de participar deles, a criatividade e a análise sagaz e crítica. 

Explicações prévias e mais detalhes sobre as configurações da prova, da entrevista e do PET/SOL são dadas numa reunião com as/os candidatas/os, num momento anterior à realização da primeira etapa. Isso porque os projetos, enfoques e arranjos administrativos são específicos à cada nova formação de membros e tutores do programa. Desde 2012 foi implementado um sistema de ações afirmativas, contendo cotas para negra(os) e indígenas. Há um edital à parte para estudantes indígenas, como o objetivo de levar em conta as especificidades de sua experiência com o conhecimento e a língua não indígenas. O número de vagas abertas depende da quantidade de integrantes que restem para completar o máximo, que é de 18 alunas(os). Atualmente há disponibilidade de bolsas a 12 integrantes, no valor de R$ 400,00 mensais, e a classificação de cada estudante como bolsista fica condicionada à disponibilidade de vagas ociosas, ou seja, à medida que estudantes bolsistas vão se desligando, novas(os) integrantes passam a recebê-las. 

Por exigência do MEC, são requisitos obrigatórios para concorrer ao processo que a(o) candidata(o) esteja regularmente matriculada(o) na graduação em Ciências Sociais da Universidade de Brasília no período letivo da seleção, e que possua um índice de rendimento acadêmico (IRA) maior ou igual a 3,0. Para a efetivação da inscrição, a(o) aluna(o) deve entregar os documentos exigidos no edital no local também nele especificado.